A mão da Nina

A Nina, muito agitada, como sempre, saiu correndo e bateu a mão na porta que ainda estava abrindo... ela não queria perder tempo aguardando a porta abrir e deu nisso – TOINGGGG – esbarrou na porta.

Pronto – situação difícil armada. A pressa virou dor!

Ai que dor, chorava ela....

Seu tio, que estava ao seu lado, não conseguiu deixar de dar risada ante o “desespero” da Nina com sua mão machucada.

- Já passa, disse ele. Dá um beijinho que passa.... e ela fez mas a dor continuava... e ela chorou mais ainda.... seu tio deu beijinhos e nada....

Mais choro... soluços .... e o que piorava a situação – choro entope nariz, fica tudo um “aguaceiro” ...

Além da dor na mão, nariz entupido, cara molhada.... afe....

Como um dia de sol, um convite para brincar com amigos, transforma-se numa enorme confusão?

Nesse momento, chegou a sua avó. Nina correu para ela muito agoniada e soluçando com dor.

E seu tio continua rindo frente a tanto “drama” feito pela Nina.

PASMEM!

A avó dela não só não riu, como a abraçou e a confortou... dói mesmo... tadinha... puxa vida... deixa eu ver....

Beijinho não passa mesmo, mas talvez uma água fria possa melhorar...disse a avó.

E a Nina se sentiu compreendida. E protegida. Sua dor era real.

A forma exagerada de expressar não significa que não exista a dor real.

E sua avó explicou: Mesmo com dor, não adianta chorar, só complica. Quando a gente chora, nariz escorre e entope. A cara molha de lágrimas. Fica tudo uma “meleca” e a dor, não passa. Nem com beijinho, nem com choro. Água fria e muita atenção, pois se piorar, teremos que ir a um pronto socorro.  

Mas não foi preciso. Um tempinho depois, a dor foi diminuindo e a Nina foi -  sem sair correndo batendo as portas - brincar com seus amigos. Mostrou a mão machucada, ficou o centro das atenções e contou sua história....

E a Lazinha lembrou que em uma visita na casa de amigos dos seus pais, tinha acontecido o mesmo com uma menininha muito querida, mas sapeca... ela machucou seu dedinho e chorou muito... e a Lazinha ficou pensando que se a avó da Nina estivesse lá, a menininha que se chamava Vitória, não teria chorado tanto.

E os pequenos de Regolish aprenderam duas lições:

– não adianta ter tanta pressa, vá com calma, mesmo que seja muuuuuiiiitttttooooo importante.

-  se acontecer algo parecido como aconteceu com a Nina e a Vitória, não adianta chorar... mesmo com a dor um tantão de forte.... nariz entupido é muito ruim....

Você já passou por uma situação dessas? Conte pra gente.