O passeio da Zita - parte 1

Durante a semana, a Zita teve uma surpresa boa. Seus pais avisaram que na sexta, de tarde, sairiam para passar o final de semana na casa de uns amigos.

Sempre há um friozinho no estômago,

quando se fala em mudar o jeito das coisas…

Mas, a novidade do passeio é algo que dá curiosidade.

 _ Mãe, pai, como vai ser? Como é lá, perguntou a Zita - vai dar prá andar de bicicleta?

_ Zita, a gente não conhece muito bem, mas é um condomínio grande, bonito, onde tudo é muito bem cuidado, cheio de flores. Cada um constrói a casa do seu jeito. Dizem que tem gente que faz da sua casa, uma cópia da Casa Branca (do presidente dos EUA); ou de casas de um artista de cinema – disse seu pai.  Não sei como é a casa desse meu amigo. Sei que é moderna, cheia de luz. Ele é meu amigo, desde a época da escola. Estudamos juntos lá em Roligon, continuou seu pai.

E foram todos preparar suas coisas para o fim de semana.

Automóvel revisado, abastecido. A mãe da Zita assou uns pastéis incríveis – preparou-os cuidadosamente para levar. Compraram uma garrafa de licor que só existe em Regolish, para que o pessoal pudesse apreciar as coisas boas que existiam nesta parte linda da floresta encantada.

Zita preparou sua sacola cor de rosa: colocou o vestido de bolinhas e o de listras, todos bem coloridos. Biquíni, shorts e camisetas. Não se esqueceu de colocar uma que ela gosta muito e que tem em letras grandes: REGOLISH.

Nas viagens, curtas ou longas, sempre é bom levar alguma roupa que faz a gente se sentir em casa...

A Zita estava alegre e imaginando o que faria nesse passeio – andar de bicicleta, encontrar um parque, brincar na piscina. E foi imaginando cada vez mais… e quase, vez em sempre, a sua imaginação a leva para situações estranhas….

IMAGINOU A VIAGEM… - em vez de pensar no que veria de bonito, no divertido que seria escutar música e cantar com seus pais no carro, pensou que poderiam ser assaltados, que ela poderia enjoar, que o pneu poderia estourar….e a viagem, que era pura alegria, ficou triste…

Mas a Zita já tinha aprendido que esse tipo de pensamento está na imaginação. E não falou nada.

E no dia da viagem, quando as famosas borboletas no estômago apareceram – elas sempre aparecem em momentos do friozinho estranho no estômago – a Zita ficou conversando para dentro de seu coração...

 
 

 – borboletas servem para dar colorido à paisagem, estão por perto das flores. Já vai passar tudo isso. Tenho amigos invisíveis e mágicos que me ajudam…. medinhos sempre acontecem…

E nada de ruim aconteceu na viagem. A Zita até cantou!  

A cada curva da estrada, algo prá ver e se alegrar! E a Zita se lembrou do conto sobre o Peter Pan – sentimentos bons sempre! A alegria vence o medo! Duendes e a fada Sininho, todos do bem…

Ela estava pensando nisso e ao olhar pela janela – UAU - MAGIA PURA !

Além dos duendes, as figuras de seus amigos apareciam, como magia, na floresta!!

Como é bom ter imaginação. Ela, às vezes, aumenta os medos, mas a Zita se deu conta que faz muito bem ao olhar para a floresta e ver encantamentos de luz e alegria que lhe dão forças!

Se você passar por uma situação dessas, lembre-se - há força e magia que sempre ajudam e nunca nos deixam sozinhos.

ATENÇÃO

Essa estória continua - O Passeio da Zita - parte 2